Bangable Dudes in History homens

Tuesday

fir louboutinmscope='itemscope' itemtype='http://schema.org/BlogPosting'>
Nearly two years after the last post and finally the covetable Buzzfeed mention! Alexander Hamilton can rest soundly in his phallic-shaped tomb tonight...

So for this better-late-than-never boner I thought I'd take some inspiration from another Buzzfeed post, aptly named "FDR's Son Was a Hottie." And fret not: you can expect the combination of the same lame graphics and jokes with some hot-ass bros coming your way again on a (hopefully) regular basis. The BDiH res-ERECTION is upon us!

HISTORIC BONER NO. 23 Franklin Delano Roosevelt, Jr., American lawyer and politician (and son of FDR)

The Evidence:

Because I'm totally obsessed with Trading Places and the injustice that was committed when I was not christened "Blanche" or "Muffy" (OBVIOUSLY), let us pause for a second and focus on the concept of a "social register." According to Wiki, my trusted friend, the first American manifestation of this directory of the social elite appeared in Cleveland (of all places) and was advertised as a "Ladies Visiting List and Shopping Guide." A shopping guide for eligible young bachelors, perhaps? Funny also that the term "blue book" applies to both these registers and to the reference book for car prices... Anyway, the Roosevelts have a history of being omitted from the New York Social Register--the preeminent social directory in the 20th century--as FDR, Jr.'s older brother, Elliot, was given the boot in 1935 for some salacious (or not) reason or other. Acts of social suicide that "warranted" omission from the Register's volumes included divorce, taking a spouse from "outside the circle," and pursuing a career in the theatre. Double hex then on Charles Black (whose father was the president of Pacific Gas and Electric Company) for marrying Shirley Temple, a divorcée and (duh) former child star.

And once more, for emphasis. You're welcome.

Next Time: Send me your suggestions!

Sunday

My apologies, friends. Work has been all-consuming, as have been my post-work naps. But thanks be to Milo for providing the steely-eyed fodder that inspired the completion of another post.

HISTORIC BONER NO. 22 Sir Henry Wellcome, American-British pharmaceutical entrepreneur

The Evidence:

It should come as no surprise (to me) that following some actual research—beyond my ever-so-thorough aesthetic analyses of portraits—I found Sir Wellcome to be rather unattractive in character. The man and his life were a series of contradictions: a trained pharmacist who made his fortune from the packaging of drugs rather than from their effectiveness; a “devoted” father who temporarily abandoned his son at the age of three because he was “sickly;” a fundamentalist Christian with some freaky preferences in the bedroom (though--perhaps--that should come as no surprise). Case in point: Henry’s habit of (allegedly) beating his wife with a cattle whip, even when she was with child. And the fact that he once employed a labor force of 3,000 to dig up (and, essentially, loot) artifacts from Sudan for the build-up of his personal collection, perhaps resulting from an inferiority complex derived from his, well, inferior beginnings. BUT I was too far along in my "process" to abandon the subject (read: I had finished reading his Wiki page), and if I’ve included Stalin here, well then I can’t deny the man who founded the richest charity in the United Kingdom. And then there’s that whole HIV/AIDS treatment thing. So, you know.

FYI, a few of these Sir Henry Wellcome Postdoctoral Fellows are quite easy on the eyes, as well. If only I were intelligent, I could infiltrate the system and find myself a hot researcher boyfriend. Because that's the only reason to pursue a postdoc. Obviously. Welcome to my logic.

And can you believe I went the whole entry without even mentioning this mustache?

Next Time: A Welsh sailor

Tuesday

See, I'm not a total liar (this time). We be making this jawn weekly. I'd also like to give a shoutout to Luisa for providing the visual fodder for this week's speci(wo)men. And though I said she was going to be an archaeologist, like a dickweed asshole I dropped that piece for someone hotter, because I'm superficial like that. And I pretend to know my (critical?) straight male audience, if it even exists.

BANGABLE DAME NO. 3 Teresa Wilms Montt, Chilean poet

The Evidence:

So......we all might have to take the facts I've collected with a grain of salt, as Google provided some rather poorly translated biographies and I (very practically) took German in high school. Tut mir leid. What I could determine was that Teresa was born into a prominent Chilean family, but abandoned the life of the bourgeoisie for a pursuit of anarchism, feminism, Freemasonry, and poetry. Her husband caught her cheating on him...with his cousin. So he threw her in that convent, even though he was a gambling, alcoholic twat. And following her Midnight Express-like escape (I don't know, I'm just making that up), Teresa was mistaken for a German spy whilst trying to join the Red Cross as a nurse during WWI. Though she was able to publish frequently enough, it was probably her unhappiness stemming from the limited visitations she had with her two daughters and her depression that caused Teresa to commit suicide at the age of 28. Her life demonstrates the limitations of even an educated woman at the turn of the last century. As does the epic of Rose DeWitt Bukater. Totally fair and historically correct comparison.

I can't forget to mention that Teresa was allegedly bumping uglies with this stud. You get it, girl.

Oh, and that Cheetah Girl thing is supposed to say "embrace the reference," but Daytum can be so difficult to work with/my process of creating and editing infographics is so ghet-to.

Next Time: An American-British entrepreneur
I'm starting a Twitter account because some people told me I should. I'm also starting a Facebook page even though I hate Mark Zuckerberg in light of Jesse Eisenberg's (obviously) infallible portrayal of him in the Social Network. I swore never again to join Facebook when I deleted my personal account in 2005, but that just proves how weak my personal convictions are.

With this, I pledge to update more often. I also pledge to tweet regularly about my favorite "articles" from the Daily Mail and Dlisted. Except all stories relating to the Kardashian wedding, because that dude is fugly and I'm over it already. Been over that shit since the OJ trial/before that bitch was born.

Monday

All of the credit for this handsome find goes to Levina. And look, guys, the list has passed 20! After months of dragging my feet, this bitch is finally legal.

HISTORIC BONER NO. 21 Vivien Thomas, pioneer of cardiac surgery

The Evidence:

Look, they're stethoscope twins!

You gotta give it to Thomas for putting up with all the shit he did in his career amidst the racism of 1940's America. I suppose it didn't help that he worked both in Nashville and Baltimore, but then again my only points of reference for the latter come from a childhood visit to the Baltimore Aquarium and from watching the Wire (Omar don't scare.). I digress. In short, Thomas perfected the surgical procedure performed on patients with blue baby syndrome, but wasn't given credit for his part in this or his role guiding the surgeons during the surgery (he wasn't allowed to operate as he had only a high school diploma, due to financial complications during the Great Depression). And after training countless surgeons at Johns Hopkins, all the University could do was award him an Honorary Doctor of Laws. Because lawyers perform surgery.

I wonder what I could do with a Master's degree in museum education... Maybe they'd let me perform minor surgeries, or let me get all up in there like this dude (though I'd rather pursue my dream of becoming a urologist...). Or at least allow me to stalk the halls for hot, young, available interns...

Next Time: An English archaeologist (a layday)

Tuesday

Hello, strangers! I was watching The Dreamers again last weekend (totally relevant) and was reminded in the great Matthew-Theo-slapstick-comedy debate of Buster Keaton. And then I stumbled across this Tumblr, inundated with the actor's boyish good looks. Clearly I don't watch enough early film, as I ask myself how this dude's face could have eluded my long-term memory for as long as it did. And so:

HISTORIC BONER NO. 20 Buster Keaton, American slapstick actor/director/writer/producer

The Evidence:

Here, I'll do you that last favor.

Another few interested facts, garnered from Wikipedia (as always): dubbing apparently was not always en mode with film. With Keaton's early talkies in particular, he and his fellow actors would perform the script in separate takes in three languages (English, Spanish, and French or German), memorizing the lines phonetically. Random fact number two: as Buster performed all of his own stunts before signing with MGM, he actually broke his neck during the filming of one movie, but didn't realize it until years later. How the hell is that possible. I'm not even putting a question mark on that, because I just don't believe it and, in turn, am making a declarative statement.

Next Time: Mum's the word for now, but I will say that there have been too many white dudes on this blog...

Wednesday

Call me biased—and you’d be correct—but I have a problem with adding Lincoln’s assassin to this list. Indeed, in his place one will find mass murderers, colluding colleagues, and some of the worst kinds of racists (those with a pedestal), but I’ve bought into the infallible Lincoln lore and cannot bring myself to post John Wilkes Booth, no matter how handsome he was. So imagine how pleased I was to find—while finally reading Sarah Vowell’s Assassination Vacation (the last pie-chart fact I attribute to her research)—that John had a brother who could be deemed a winner. Thus, a compromise:

HISTORIC BONER NO. 19 Edwin Booth, American stage actor

The Evidence:

I just feel bad for Edwin, losing his first (and then second) wife, having to publicly deal with the brotherly association that caused him to momentarily abandon his career. But if that does nothing for you, maybe this will melt your heart a bit.

Next Time: ???
Older Posts Home

homens

Христианский
daffodile cristiano louboutin
Louboutin für Männer
saor christian louboutin

Proibir homens que fazem sexo com homens de doarem sangue é inconstitucional? O STF vai decidir

  • 24 outubro 2017
Homem doa sangue
Image caption No Brasil, homens que se relacionam com homens devem ficar 12 meses sem sexo para doar sangue | Foto: Getty

Atualmente, um homem heterossexual que tenha feito sexo com apenas uma parceira, mesmo que sem camisinha, pode doar sangue no Brasil, enquanto um homossexual que use preservativo fica vetado de doar pelos 12 meses seguintes à sua última relação sexual.

O Ministério da Saúde introduziu a norma que, na prática, inviabiliza a doação de sangue por homossexuais com a justificativa de reduzir o risco de contaminação por HIV em uma transfusão. A Procuradoria-Geral da República, a Ordem dos Advogados do Brasil e ONGs são contra a medida e apoiam uma ação, levada ao Supremo Tribunal Federal (STF), que questiona sua constitucionalidade.

E é esta ação que o tribunal começou a julgar na tarde de quinta-feira e concluirá na próxima quarta. O tema é polêmico, e os ministros deverão se debruçar sobre várias questões.

A restrição ao sangue de um homossexual fere a dignidade humana? Impede o exercício da cidadania? É razoável e proporcional ao seu objetivo? Há outra forma de fazer isso?

Afinal, é discriminação?

  • 'Dormi menino e acordei menina': o dramático relato de britânico intersexual criado sob gênero errado
  • 'Capoeira gospel' cresce e gera tensão entre evangélicos e movimento negro

Princípios e direitos

Ao apresentar seu voto, o ministro Edson Fachin, relator do caso, considerou a norma inconstitucional ao dizer que ela coloca em xeque direitos fundamentais de um grupo social e afirmou que as restrições "quase proibitivas", baseadas na orientação sexual e no gênero da pessoa com quem o candidato à doação se relaciona e não em uma conduta de risco, "incorrem em discriminação injustificada".

"A norma viola a forma de ser e existir destas pessoas e o fundamento do respeito à diversidade e à dignidade humana e afronta a autonomia de quem deseja doar sangue, que é limitada não por razão médica ou científica", disse Fachin.

O ministro considerou esse tratamento "desigual e desrespeitoso". "Não se pode negar a quem deseja ser como é o direito de ser solidário e membro partícipe de sua comunidade. O princípio deve ser conduta e não gênero." Para ele, se trata de uma "limitação desproporcional". "É imperioso modificar o critério de restrição", disse.

A ministra Cármen Lúcia. presidente do STF, agradeceu Fachin por seu "voto brilhantíssimo" e, por causa do horário, encerrou a sessão, que será retomada na próxima semana.

Contágio

O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), apoiados pela Advocacia-Geral da União e por diretores de hemocentros brasileiros, argumentam na ação que o veto temporário à doação por homens gays se baseia em estudos científicos sobre o "perfil epidemiológico dos grupos e situações, constatando aumento do risco de infecção em determinadas circunstâncias" envolvendo esses homens.

Não é o que acredita o PSB, partido autor da ação direta de inconstitucionalidade nº 5543, e outras organizações que também pedem o fim da medida, entre elas a Procuradoria-Geral da República, a Defensoria Pública da União, o Ordem dos Advogados do Brasil e grupos de defesa de direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT).

O PSB diz que, na prática, a norma impede que homossexuais doem sangue de forma permanente e que isso revelaria um "absurdo tratamento discriminatório por parte do Poder Público em função da orientação sexual".

O advogado Rafael Carneiro, que assina a petição do partido, defende que a política "ofende a dignidade humana e gera discriminação". "O maior risco de contaminação decorre da atividade sexual, não da orientação homossexual. Um heterossexual também pode ter relação anal sem camisinha e estar sujeito ao mesmo perigo que um homossexual."

Image caption Ação teve sua tramitação acelerada no Supremo | Foto: STF

Fazer sexo sem camisinha é a causa da maioria absoluta de casos de HIV no país: é o motivo apontado pelo Ministério da Saúde para 81,7% das 136.945 infecções pelo vírus em pessoas maiores de 13 anos reportadas entre 2007 e junho de 2016 ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

Heterossexuais representaram 36,7% dos homens brasileiros contaminados nos primeiros seis meses do ano passado - eram 47,3% em 2007. Homossexuais e bissexuais responderam por 59,5% dos novos casos de janeiro a junho de 2016 - eram 43,8% em 2007. Entre as mulheres, 95,9% ocorreram em relações heterossexuais.

Omissão

Em processos do STF, organizações da sociedade civil podem se apresentar para defender sua visão, no caso, se o veto é constitucional. São os chamados amicus curiae, ou amigos da corte. Todos os 13 inscritos na ação são contra a restrição.

"O limite de 12 meses não tem respaldo legal ou científico e viola o princípio da igualdade. É preciso tirar o foco da orientação sexual para evitar o caráter discriminatório", disse Gustavo Zortéa, da Defensoria Pública da União, à BBC Brasil.

Em parecer assinado por Rodrigo Janot, a Procuradoria-Geral da República argumenta que a medida fere a liberdade individual, não é razoável e veta de forma definitiva na prática essas pessoas de doarem ao exigir abstinência sexual por um ano, dando munição à homofobia e estigmatizando mais grupos que já são discriminados.

Janot disse ainda que autoridades de saúde se omitem ao não "adotar mecanismos menos gravosos" para garantir a segurança do material doado: "Nem mencionam o uso de preservativo em relações sexuais como critério de seleção de doadores, método com maior eficácia para evitar contágio".

Image caption Campanha da ONG Dignidade busca alterar política do Ministério da Saúde | Foto: Reprodução

Autoridades brasileiras citam indicadores de saúde para negar que a medida seja motivada por preconceito.

"No Brasil, dados apontam que a epidemia de Aids está concentrada em populações de maior vulnerabilidade, tais como homens que fazem sexo com homens, usuários de drogas e profissionais do sexo, com uma taxa de prevalência do vírus de 10,5%, enquanto, na população em geral, a taxa é de 0,4%", disse o Ministério da Saúde à BBC Brasil em nota, por meio de sua assessoria.

  • Cientistas desvendam por que leite materno tem moléculas de açúcar que bebês não digerem

O ministério rejeita a acusação de discriminação e diz que o embargo de 12 meses vale para quem tenha feito sexo casual com um desconhecido, vítimas de estupro e seus parceiros, para quem se prostitui, foi preso, tenha feito uma cirurgia ou uma tatuagem recentemente.

"A inaptidão para homens que fizeram sexo com homens utiliza o mesmo critério que as demais situações, ou seja, a medida está fundamentada no que há de melhor e mais moderno da literatura médica e científica nacional e internacional", disse a pasta.

A Anvisa ressalta ainda seguir a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), principal autoridade na área, e que manterá o "critério até que estudos provem o contrário".

Mais chances

Em seu manual de seleção de doadores, a OMS inclui entre os perfis de alto risco, homens homossexuais sexualmente ativos. A organização afirma que eles têm 19,3 vezes mais chances de terem o vírus HIV do que a população e apoia o veto total como política padrão.

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) reiterou à BBC Brasil a recomendação de recusa dessas doações por 12 meses, ressaltando que "a orientação sexual não deve ser usada como critério para seleção de doadores, por não constituir risco em si mesma".

Ainda segundo a Opas, "a expressão 'homens que fazem sexo com outros homens' descreve um fenômeno comportamental e social em vez de um grupo específico de pessoas".

Em 2015, a Corte de Justiça Europeia julgou que proibir homens gays sexualmente ativos de doar sangue pode "minimizar" o risco do HIV estar presente nos estoques de sangue. Ao mesmo tempo, disse que a proibição vitalícia só se justifica quando não há meios "menos onerosos" para garantir a segurança da doação.

Os defensores do fim do veto temporário no Brasil dizem que isso não acarretará aumento do perigo. Alegam que a seleção de candidatos já leva em conta comportamentos sexuais considerados de risco, seja qual for a orientação sexual, e que testes aplicados às coletas são capazes de detectar o HIV.

Image caption Críticos da política dizem que testes atuais podem detectar vírus menos de um mês após contaminação | Foto: Getty

Atualmente, toda doação passa por um exame que identifica se o vírus está no sangue a partir de 11 dias após a contaminação – período chamado de janela imunológica – e outro que detecta anticorpos do HIV 25 dias depois. Em ambos os casos, o intervalo de precisão dos testes é muito inferior ao previsto pela regra de exclusão do sangue.

"Mas há casos que fogem da janela imunológica, há tratamentos que afetam a detecção do vírus e a análise do laboratório pode ter erros, por isso adota-se um período maior, ainda que 12 meses pareça ser excessivamente longo e seja muito difícil que o vírus fique indetectável por tanto tempo", disse à BBC Brasil o médico Luiz Amorim, diretor do Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio), um dos principais hemocentros do país.

O hematologista explica que, na sua instituição, homens e mulheres heterossexuais só têm sua doação recusada caso tenham feito sexo com cinco ou mais parceiros nos últimos 12 meses.

Pressão por mudança

No início do mês, Amorim esteve no Congresso da Associação Americana de Bancos de Sangue, principal conferência do mundo da especialidade, em que o tema proibição à doação por gays foi debatido.

A realidade de diferentes países não permite extrair um consenso sobre a melhor prática. Embora alguns países – como Alemanha, Áustria, China e Dinamarca – ainda proíbam homens gays de doar de forma vitalícia, há uma tendência internacional de suavizar o veto total adotado ao redor do mundo após o surgimento da epidemia de Aids nos anos 1980.

Na Noruega, Holanda, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos e França vigora um embargo de 12 meses. Enquanto isso, na Inglaterra e na Escócia, o período de veto passará a ser de 3 meses, mudança justificada por autoridades britânicas graças ao avanço da tecnologia da detecção do vírus.

Itália, México, Espanha, Chile e Argentina foram além, e a orientação sexual do candidato não é levada em conta na triagem do sangue, apenas seus hábitos sexuais.

A proibição era vitalícia no Brasil quando surgiu em 1993. Em 2004, foi alterada para 12 meses após a última relação sexual. "Há uma grande pressão aqui e em outros países contra esse tipo de medida, porque é uma questão complexa que parece resvalar no preconceito, ainda que não seja", disse Amorim.

"Mas não há evidências de que, se diminuirmos esse período, não aumentará o risco de contaminação. Também não sabemos qual risco representam gays com parceiro fixo. Os estudos são caros, e um país fica esperando que o outro faça." Por isso, dados desse tipo não estão disponíveis.

Enquanto não houver respostas, diz Amorim, aplica-se o princípio da precaução no Brasil, mantendo a regra vigente. Foi essa posição que ele e outros 26 diretores de hemocentros no país manifestaram em uma carta enviada ao STF: "Somos contra a liberação. Acreditamos que o tema não deve ser judicializado. É uma questão técnica e não de constitucionalidade".

Expectativa

A judicialização, no entanto, é um caminho sem volta, e, uma vez provocada, a Corte Suprema terá de se posicionar sobre o assunto. Especialistas em Direito Constitucional ouvidos pela BBC Brasil avaliaram que a medida viola a Constituição.

"Para essas pessoas, se relacionar com alguém do mesmo sexo não é uma simples conduta, é sua identidade. Se você usa esse único aspecto para distingui-las, sem outros fatores, você as está discriminando e impedindo de exercer sua cidadania", afirmou Thiago Amparo, professor da Fundação Getulio Vargas em São Paulo.

Amparo acredita que o STF anulará a norma, opinião compartilhada por Elival da Silva Ramos, professor da USP e procurador-geral do Estado de São Paulo.

Ele defende que a norma seja baseada no comportamento sexual do doador: "A visão atual está superada e gera preconceito. Deve ser atualizada com critérios isentos, como fazer sexo sem proteção, em vez de tratar um grupo como mais promíscuo".

Renan Quinalha, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), também defende a inconstitucionalidade da norma, mas não acredita que será invalidada.

"Quando temas morais se cruzam com saúde pública, como neste caso, receio que o Supremo não seja tão avançado. Ele não deve criar uma política à revelia do órgão técnico. Não é uma questão tão pacificada com precedentes judiciais quanto a união civil entre pessoas do mesmo sexo, aprovada em 2011", diz Quinalha.

"O ministério e a Anvisa têm uma posição consolidada e em linha com países próximos do Brasil na área. Duvido que o STF assuma o ônus de inovar. Além disso, os tempos não estão fáceis para LGBTs no Brasil."

*Matéria atualizada às 6h00 de 25/10/2017

Tópicos relacionados

  • Comportamento
  • Ciência
  • Brasil
  • Saúde

Notícias relacionadas

  • Como homens gays voltaram a ser os mais vulneráveis ao HIV no Brasil, contrariando tendência mundial
    1 dezembro 2016
  • A mulher que doa em vida seus órgãos a estranhos
    17 janeiro 2017
  • Cientistas criam novos anticorpos capazes de atacar até 99% dos tipos de HIV
    22 setembro 2017


Sem categoria

Vantagens E Desvantagens Da Energia Solar

Sem categoria

Bioquímica Do Envelhecimento

Sem categoria

Em Homenagem Ao Dia Dos Mortos, Vamos Falar De Nessahan